terça-feira, 27 de julho de 2010

FISHBONE NO BRASIL

O Fishbone tocou no Brasil pela primeira vez, e como tenho o Fishbone como uma das minhas bandas prediletas, não poderia perder o show por nada, me mandei até Curitiba onde rolou o concerto.
Chegando no John Bull Music Hall, logo de cara, vi o vocalista Angelo Moore ( considerado um dos melhores Front man do mundo) junto ao pessoal que estava promovendo o material da banda, a galera estava comprando e tirando fotos feito alucinados, e eu não fiz diferente. Comprei a camiseta da banda escrito FUCK RACISM e o cd, Still Stuck in Your Throat, para apoiar a banda, que é ignorada pela mídia desde seu surgimento, mas que apesar disso sobrevive na raça.
No bar encontrei com os amigos Marcelo Kozake, Marcelo Santos e Sapão e tomamos um drink em homenagem a um esse dia tão especial, demos boas risadas e logo o show começou com gás total. Como o lugar não estava muito cheio, achei que poderia ser um fiasco, mas a vibe do Angelo já mostrava que eles são underground porque querem, e não estão nem aí se tem gente ou não, eles fazem o show acontecer de qualquer forma.
A banda começou com um groove da pesada que tremia o chão, Angelo viu que a galera estava meio acanhada e pulou do palco e pegou a galera pelo braço pra ficar mais perto e logo ele estava no Mosh Pit no meio da própria.
O show foi ganhando ritmo, a sonora estava perfeita, a banda muito sincronizada fazia um Punk-Rock-funk-Ska-Funk muito energético. O trompete, o trombone e o Sax davam o toque especial às músicas, fora as cambalhotas do vocalista Angelo Moore, que foi um show aparte.
Entre músicas famosas e desconhecidas eles se divertiam tanto quanto a galera, que não parava de pular sequer um segundo, e quando eles saíram do palco, os gritos da galera não pararam e em poucos minutos eles voltaram quebrando tudo e tocaram mais 4 músicas sem respirar. Em seguida os músicos foram deixando o palco um a um, mas não sem antes fazer um solo cada.. O sinistro baixista John Fisher levou um groove de mais de 8 minutos de slap acompanhado pelo batera, até que Fisher saiu e ficou só o batera e Angelo, o batera fez seu solo e lá estava ele: o cara que abriu a noite, vendeu camisetas e Cds, falou com todo mundo, foi o primeiro a subir no palco, cantou, tocou sax e dançou até quase cair e que saiu do palco depois de todo mundo, isso é amor pela música e sua banda.

Com certeza esse show foi um dos melhores que já assisti na vida, obrigado Fishbone por proporcionar esse momento único.






















Psychotic Friends Nuttwerk, escute esse album do fishbone no Amazon

www.fishbone.net

www.myspace.com/fishbone


http://www.youtube.com/user/fishbonedocumentary

2 comentários:

Daniel Maragna disse...

putz... perdi! dificilmente eles voltam, não?! puta show! abs

Joka disse...

Karacas, irado e a camisa é classe A !!! Muito bom Binho, abraço.
Obs.: Som no ipod... ahuuuuuuu